CRÔNICA: O abismo

Toda vez que ouço ou leio sobre o cenário econômico do país, me perco nos termos e siglas e me pego imaginando um mundo todo particular.

Para mim, debentures, commodities e securities são cardumes de três variedades distintas de peixes que habitam a profundidade do Oceano Pacífico e fazem parte do ecossistema econômico da região.

As commodities nadam mais próximas à estagflação do nicho de mercado, enquanto as securities ficam entre a margem bruta e a Curva de Lafer e as debentures preferem a depreciação da Curva de Philips.

E toda a paz e o equilíbrio desse sistema viu seu fim quando os especuladores americanos descobriram o abismo econômico em 1929. Eles exploraram tanto esse paraíso fiscal que quase extinguiram uma espécie de alga local, a ad valorem. Só não conseguiram porque o Grupo Ambientalista Maynard Marshall Akerlof, associado ao Greenshoe, deram um fim para esse oligopsônio. Depois disso, os americanos ficaram sem visitar o abismo por algumas décadas. Estavam muito mais interessados em sair do planeta e muito mais ocupados em guerras quentes e frias.

Mas em 2007, novos exploradores, liderados por Fannie Mae e Freddie Mac, foram levados pelo submarino subprime mortgage até o abismo. Os especuladores e os hipotecários que desembarcaram da bolha levaram seus derivativos negociáveis e se instalaram nas águas estagnadas do abismo.

Abrindo concorrência com os americanos, logo os europeus também começaram a explorar o buraco sem fim. Em pouco tempo, espanhóis e gregos já estavam bem à frente dos americanos na exploração das águas profundas e estagnadas do abismo econômico, penetravam o fundo do oceano (porque fundo do poço é fichinha) com épsilon e tudo. Tanto desbravamento diminuiu o rating lá na zona do euro e criou uma maré de austeridade.

A maré tempestuosa tomou seu caminho para a Ásia deixando alguns tigres mirrados. E os emergentes latinos, muito protecionistas e traumatizados com suas memórias de outros mares profundos do passado, mal saíram da warrant para molhar os pés.

E isso foi o que eu consegui conectar mentalmente quando me explicaram como funciona a economia e o que propiciou a atual crise econômica.

Por Carol Fortunato
Para a Agência Hipertexto

Para ver o texto no site da Agência, acesse: http://aghipertexto.blogspot.com.br/2012/09/cronica-o-abismo.html

Um pensamento sobre “CRÔNICA: O abismo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s